Publicidade

campanha
Cultura

A Criação de Adão de Michelangelo

"A Criação de Adão" é um afresco pintado por Michelangelo no teto da Capela Sistina entre os anos de 1508 e 1510, a pedido do papa Júlio II.

Via Redação | Publicado por Redação | às 05:41:18

O afresco integra um conjunto de pinturas que compõem o teto da Capela Sistina, onde Michalengelo representou várias cenas bíblicas e figuras proféticas. Entre elas, “A Criação de Adão” é a mais icônica, recebendo a admiração de todos os visitantes. Considerada a sua obra prima, rendeu a Michelangelo um enorme prestígio, tornando-o um dos maiores artistas da História.

O próprio tema da pintura chama a atenção. O artista representa uma importante passagem do Livro do Gênesis: o momento em que Deus cria o primeiro homem, Adão. Trata-se de uma narrativa, Michelangelo conta uma história através da imagem, capturando o instante no qual a vida humana está prestes a começar.

Composição da imagem e principais elementos

Deus, do lado direito, está representado como um homem mais velho, de barbas e cabelos brancos, símbolos de sabedoria, mas envergando uma forma física jovem e vigorosa. O artista toma por base os relatos bíblicos que descrevem a sua fisionomia.

Está envolto num manto, onde carrega os seus anjos. Com o braço esquerdo, abraça uma figura feminina, normalmente interpretada como sendo Eva, a primeira mulher, que ainda não foi criada e espera nos céus, junto do Pai.

Adão, do lado esquerdo, é um homem jovem e está sentado num prado, com o corpo dobrado, numa posição lânguida, como se tivesse acabado de acordar. Ainda sem forças, estende a mão em direção à imponente figura de Deus, esperando que Ele se aproxime para lhe transmitir a vida.

No centro, estão os dedos indicadores de ambos, com um pequeno espaço entre si, realçado pelo vazio na pintura que não deixa nenhuma distração para o olhar de quem observa.

O braço de Adão está dobrado e o seu dedo caído, sinais de fraqueza do homem, por oposição à postura de Deus, com o braço estendido e o dedo esticado, sublinhando o gesto do seu poder criador.

Os membros são simétricos, têm uma constituição muito parecida, fazendo referência à passagem bíblica “Deus criou o homem à sua imagem e semelhança” (Gênesis, 1:27). Assim, através desta simetria, Michelangelo estabelece um equilíbrio entre os dois lados do afresco, entre a figura divina e a figura humana.

Note-se também a antecipação, o compasso de espera ao qual a imagem nos conduz; embora muito próximos, os dedos não chegam a se tocar realmente.


Compartilhe esta matéria:

Google+
Tumblr
Pinterest

Publicidade

Campanha