{description}

Dois deputados são alvos de operação da PF nesta quarta-feira (13)

Os investigadores cumprem mandados de busca e apreensão nos gabinetes e nas residências de Dulce Maria e Carlos “Gaguinho”, do Tocantins

A Polícia Federal, em conjunto com a Procuradoria-Geral da República, deflagrou, na manhã destaquarta-feira (13/12), a 6ª fase da Operação Ápia. Os agentes estão na Câmara dos Deputados. O alvo são dois parlamentares, Dulce Miranda (PMDB/TO), mulher do governador de Tocantins, e Carlos “Gaguinho” (Pode/TO). Os gabinetes e residências de ambos estão sendo vasculhados.

Os investigadores cumprem 16 mandados de busca e apreensão e oito de intimação. Na Câmara, eles estão no segundo e quinto andares do anexo 4. Os investigados foram mencionados em acordo de colaboração premiada homologada no Supremo Tribunal Federal (STF).

A primeira fase da operação foi deflagrada em outubro de 2016 pela Superintendência Regional da Polícia Federal em Tocantins para desarticular organização criminosa que atuou no estado. O grupo é acusado de corromper servidores públicos, agentes políticos, fraudando licitações públicas e execução de contratos administrativos celebrados para a terraplanagem e pavimentação asfáltica em várias rodovias estaduais em valores que superaram a cifra de R$ 850 milhões.

As obras foram custeadas por recursos públicos adquiridos pelo estado de Tocantins, por meio de empréstimos bancários internacionais e com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), tendo o Banco do Brasil como agente intermediário dos financiamentos no valor total de R$ 1.203.367.668,70.

Os recursos adquiridos tiveram a União Federal como garantidora (fiadora) da dívida contraída com Banco do Brasil e foram batizados pelo governo estadual como Programa Proinveste e Proestado.

Esquema
A investigação apontou para um esquema de direcionamento das contratações públicas mediante pagamento de propina de empresários que se beneficiavam com recebimentos por serviços não executados. O núcleo político da associação criminosa era responsável por garantir as contratações e o recebimento de verbas públicas indevidas por parte dos empresários corruptores.

Nesta 6ª fase, apura-se os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro decorrentes de vários pagamentos de propinas realizados pela empresa Construtora Rio Tocantins (CRT), de propriedade do colaborador Rossine Ayres Guimarães, a integrantes do núcleo político investigado. Estão sendo cumpridos mandados nas cidades de Palmas e Araguaína, ambas no Tocantins, e em Brasília. (Aguarde mais informações)