Publicidade

pmcg
DENÚNCIA

Surgem novos vídeos onde em reunião funcionários reclamam e gerente diz não ter medo de ouvidoria

Via Redação | Publicado por Administrador | às 08:59:12

Após denúncia feita por funcionária das Casas Bahia de Ponta Porã nesta quinta (21), a matéria viralizou na cidade e novas informações e vídeos chegaram a redação do Conteúdo MS, com mais reclamações.

Conforme denúncia, Daiana Medina Gomes (24), ela diz ter sofrido humilhação, violência psicológica e assédio moral do gestor Giovani de Lima que a dois anos assumiu a gerência da loja.

Colegas de trabalho filmaram momento em que um dos funcionários reclama ao gerente sobre seu comportamento com os funcionários, ameaçando seus empregos caso não cumpram as metas conforme é possível ver no vídeo abaixo

​O gestor pergunta se todos da equipe estão de acordo com o que disse o colega e finaliza dizendo que não tem medo da ouvidoria.

Em 22 de setembro Daiana e outro colega fizeram a denúncia sobre os acontecimentos no ambiente de trabalho para a ouvidoria das Casas Bahia, como é possível ver no protocólo abaixo.

Na foto ao lado, está o encaminhamento que ela recebeu do SUS, para o tratamento psiquiátrico após sequelas do fato ocorrido, encaminhada pelo psicólogo.

O caso

O Conteúdo MS divulgou a matéria conforme informações recebidas da vítima, Daiana Medina Gomes (24), que trabalha na empresa a quatro anos, ela sofreu violência psicológica e assédio moral do gestor Giovani de Lima que a dois anos assumiu a gerência, da empresa.

Segundo Daiana, ela vem sofrendo pressão desde que as metas aumentaram e os vendedores não estão conseguindo atingir, isso fez com que Giovani ficasse cada dia mais estressado e fazendo cobranças descabidas, como proibi-la de almoçar com colegas, alegando a falta de comprometimento delas com as vendas.

Com apoio dos colegas, Daiana resolveu denunciar o gestor ao seu superior em São Paulo mas até o momento nenhuma providência foi tomada sobre o fato que a levou a ter sérios problemas que a fez procurar apoio psicológico e hoje toma remédios controlados.

Nossa reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa das Casas Bahia em São Paulo, e questionamos quais seriam as providências que seriam tomadas com relação a funcionária e também ao gestor, em nota a assessoria de imprensa respondeu,

“A companhia é muito clara em seus valores e princípios de conduta. Repudiamos veementemente todo e qualquer tipo de assédio, práticas ilegais e atos discriminatórios em nossas dependências, incluindo nossa sede administrativa e nossas lojas. Nosso código de ética e conduta, distribuído para todos os nossos colaboradores, é o guia que regula todas as ações da empresa, sendo sua aplicação acompanhada por auditorias independentes. A empresa informa, ainda, que está apurando o caso em questão.

A redação ainda não foi informada sobre as providências após ter contatado a matriz mas deixamos o espaço aberto às Casas Bahia e também ao Gestor, caso queiram contrapor à denúncia.

Compartilhe esta matéria:

Google+
Tumblr
Pinterest