Publicidade

PMCG
Fronteira

Diretor de presídio é demitido após fuga de 35 presos do PCC no Paraguai

Via Redação | Publicado por Administrador | às 08:37:40

Após a fuga de 35 detentos da Penitenciária Regional de Missiones, no Paraguai, sendo a maioria membros do PCC (Primeiro Comando da Capital), o diretor do presídio acabou demitido, e a penitenciária deverá entrar em interdição por 30 dias. Já foram recapturados 28 presos.

Foi ordenado nesta terça-feira (9), pelo Ministério da Justiça paraguaia, que Virgílio Valenzuela, diretor do presídio, seja demitido. A penitenciária ficará em interdição por 30 dias e foi nomeado como interventor Victor Wilfrido Aliente.

Aliente deverá apresentar relatórios diários à direção-geral dos estabelecimentos penitenciários, segundo informações do ABC Color. Durante este período, serão realizadas operações, alocações de pessoal, avaliações e acompanhamentos. Também será feita uma investigação interna que poderá resultar em procedimentos administrativos. A suspeita é de negligência dos guardas da penitenciária na fuga dos detentos.

Presos recuperados

Em menos de 24 horas de buscas, a Polícia Nacional do Paraguai já conseguiu levar de volta para as celas 28 dos 35 fugitivos da Penitenciária Regional de Missiones. As ações incluem, segundo informações do Ministério da Justiça, a participação de 300 homens e também o uso de helicópteros.

Desde o último domingo (7), quando ocorreu a fuga, foram montados esquemas de diligências que estão dando resultados. Os 35 presos que pularam o muro da penitenciária são ligados à facção criminosa PCC (Primeiro Comado da Capital), segundo informações das autoridades paraguaias.

Ainda de acordo com o Ministério da Justiça do Paraguai, a maioria dos detentos está com ferimentos nas pernas e braços, provocados pela queda do muro da Penitenciária Regional de Missiones, bastante alto. Para conseguir subir, eles usaram corda feita com lençóis e conforme as investigações, contaram com o apoio de agentes penitenciários.

Fuga

Os internos saíram pelos fundos da penitenciária, pularam o muro, subiram nas grades e desceram com cordas preparadas manualmente. Enquanto os presos escapavam, outros queimavam colchões e organizavam tumultos.

Entre os presos que escaparam, estão Víctor Manuel Roa, condenado a 40 anos de prisão, e José Luis Durán Bobadilla, com pena de 27 anos. Ele é acusado de ser o principal suspeito do assalto e posterior assassinato do agente da Polícia Nacional Santiago Figueredo, ocorrido em Assunção em setembro de 2021.

Também estão nas ruas Eliodoro Paniagua Medina, suspeito de fazer parte de uma quadrilha de criminosos e implicado em um assalto milionário a uma transportadora de dinheiro, além de Matías Moisés Olmedo Orzuza e Ángel Dionicio Trinidad Ayala, vulgo Toto’i, ambos processados ​​por roubo.

Compartilhe esta matéria:

Google+
Tumblr
Pinterest