Publicidade

la
Fronteira

Brasileiro tenta agredir promotor paraguaio após ser condenado

Via Redação | Publicado por Administrador | às 17:39:43

O brasileiro Plácido Caetano Magrin, 41 anos, foi condenado a 12 anos de prisão na quarta-feira passada, dia 06 de junho e ao término do julgamento, reagiu de maneira violenta e ameaçou o promotor Elvio Aguilera, a quem até tentou agredir.

A agressão foi filmada por um celular e ocorreu após o brasileiro ser encontrado culpado por posse de drogas e atos tendentes à remessa de drogas ao exterior. Durante o julgamento, o promotor apresentou provas documentais, testemunhais e periciais para demonstrar a culpa de Caetano Magrin.

Segundo o site Midiamax, além da condenação, os juízes ordenaram o confisco do veículo utilizado para o transporte da droga, que agora está sob responsabilidade da Secretaria Nacional de Administração de Bens Apreendidos e Confiscados (Senabico), a pedido do Ministério Público.

De acordo com relatos, o traficante foi preso em 19 de novembro de 2020, transportando 52 quilos de maconha prensada em um carro com destino ao Brasil. O procedimento foi realizado na área primária da alfândega de Ciudad del Este, por agentes de investigação de delitos da polícia nacional e pessoal da área naval.

Além da droga, os envolvidos apreenderam o veículo com placa brasileira. A droga estava escondida na porta do passageiro, no painel abaixo do volante, no painel sobre o motor, no para-choque dianteiro, na porta traseira do lado do motorista, na porta do porta-malas e no pneu sobressalente.

O incidente ocorrido após a condenação de Plácido Caetano Magrin mostra a importância de se combater o tráfico de drogas e a violência associada a ele. A reação violenta do traficante após a condenação mostra a necessidade de se garantir a segurança das autoridades envolvidas no combate ao crime organizado. As investigações e julgamentos de casos como esse são fundamentais para a manutenção da ordem e da segurança da sociedade.

Compartilhe esta matéria:

Google+
Tumblr
Pinterest