Publicidade

campanha
Cultura

Ney Matogrosso: “Me chateia ver a falta de espaço para artistas novos”

O cantor desembarca em Brasília neste domingo (26/05/2019), para show no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, com repertório da nova tour

Via Redação | Publicado por Redação | às 06:49:31
  • Aos 77 anos, o cantor Ney Matogrosso está com todo o vigor e roda o país com a nova turnê, Bloco na Rua. Neste domingo (26/05/2019), os brasilienses terão a oportunidade de conferir o show, em apresentação única, realizada no Centro de Convenções Ulysses Guimarães (Eixo Monumental), às 20h.

No repertório afetivo, além dos grandes clássicos do cantor, estão presentes canções de outros artistas nunca antes interpretadas por Ney como Eu Quero É Botar Meu Bloco Na Rua (Sérgio Sampaio), faixa que deu nome à turnê, A Maçã (Raul Seixas), Álcool (Bolero Filosófico) e O Beco (Herbert Vianna/Bi Ribeiro).

“Comecei a rever composições dos anos 1970 que eu gostava de ouvir e, claro, dei uma roupagem nova, com a minha cara”, explica o cantor, em entrevista ao Metrópoles.

Durante os 90 minutos de apresentação, Ney mantém o estilo de poucas palavras e muita música em cima do palco. “Não sei conversar, não sei estimular a plateia a cantar ou aplaudir. Cada um faz o que quer, quando se sente à vontade”, avalia. É o entusiasmo da performance do artista, em especial em sucessos da própria trajetória como Pavão Misterioso, de Ednardo, considerada uma crítica à ditadura militar que assolou o país entre 1964 e 1985, que em geral enlouquece o público.
O cantor lamenta a falta de informação que leva as pessoas a criminalizarem políticas de fomento cultural, como a Lei Rouanet. “É uma idiotice, qualquer país civilizado tem isso! Eu nunca utilizei [a Lei Rouanet], mas é bom que exista. É preciso reconhecer a importância para quem está começando. Me chateia ver a falta de espaço destinado a artistas novos”, afirma Ney.
Sobre a atual cena da música popular brasileira, Ney diz que identifica uma tendência geral de mais liberdade, onde os artistas cantam e se vestem como querem. “O que não existia quando comecei”, lembra.

Brasília foi, na década de 1960, o ponto de partida para Ney de Souza Pereira, o cantor se tornaria conhecido e reverenciado como Ney Matogrosso. Por esse motivo, segundo o artista, os shows na capital federal são sempre especiais. “Morei em Brasília por sete anos. A cidade foi muito importante para minha formação cultural. Sou muito grato por ter vivido aí, por ter sido estimulado por vários amigos na época. É sempre um prazer tocar para os brasilienses”, conclui.

Compartilhe esta matéria:

Google+
Tumblr
Pinterest

Publicidade

Campanha