Publicidade

Anuncie
Geral

Fim do horário de verão é aceno de Bolsonaro à bancada evangélica

Depois de 54 decretos que tentaram regularizar a medida desde 1931, o horário diferenciado chega ao fim por gerar “transtornos” à população

Via Redação | Publicado por Redação | às 05:32:34

Queridinho por uns e detestado por outros, o horário de verão chegará ao fim ainda este ano. O projeto que encerra o horário diferenciado foi apresentado no fim de março pelo deputado federal João Campos (PRB-GO) ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), que aceitou a propostado parlamentar. Desde então, com o enfraquecimento do líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), Campos vem sendo cotado como possível substituto.

Com as ameaças públicas lançadas pelos parlamentares de parar de apoiar o governo, Bolsonaro viu na possibilidade uma forma de fazer um aceno ao grupo, no qual Campos tem bastante influência. Paralelamente, fez um esforço em dar tom técnico para a medida.
De acordo com João Campos, é necessário acabar com o horário devido aos “problemas de saúde”, “transtornos” e “desconfortos” que pode causar à população. Para ele, os brasileiros se incomodam com o decreto por fazê-los acordar mais cedo e conviver com a “sonolência, a fadiga e a irritabilidade por quatro meses”.

Ao anunciar pela rede social Twitter o fim do horário do verão, Bolsonaro afirmou que tomou a decisão devido aos “estudos técnicos” acerca do assunto. “Após estudos técnicos que apontam para a eliminação dos benefícios por conta de fatores como iluminação mais eficiente, evolução das posses, aumento do consumo de energia e mudança de hábitos da população, decidimos que não haverá Horário de Verão na temporada 2019/2020”, decretou.
Segundo levantamento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o ato economiza de 4% a 5% de energia no período em vigor. Campos, no entanto, avalia que isso não é o suficiente. “Os transtornos causados às pessoas são muito maiores que a energia economizada“, comentou.

Para o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) Manoel Rangel, “não há ciência” sobre o horário de verão para os estudos da meteorologia. O especialista acredita que a medida não tinha “razão racional nenhuma” e que era uma “bobagem”.

“Outra reclamação recorrente da população diz respeito à falta de segurança durante a madrugada, quando muitos já estão a caminho do trabalho ou da escola”, afirmou. O parlamentar acredita que o decreto “aumenta a vulnerabilidade das pessoas” que transitam sem a luz solar.

Essa não foi a primeira vez que João Campos apresentou a ideia. Em 2011, ele levou o projeto ao Congresso Nacional, mas a proposta não prosperou no legislativo.

A popularidade
De acordo recente pesquisa do ministério de Minas e Energia, 53% dos brasileiros são contra a existência do horário de verão. Segundo a pasta, desde 2010, a medida já economizou R$ 1,4 bilhão aos cofres públicos. De 2010 a 2014, foram poupados R$ 835 milhões nas contas de luz dos brasileiros

Em nota, o ministério de Minas e Energia afirmou que, devido a mudanças de hábitos de consumo e da configuração sistêmica do setor elétrico brasileiro, foi solicitado pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) um novo estudo sobre o caso

“Esses estudos indicaram que o horário de verão deixou de produzir os resultados para os quais essa política pública foi formulada, perdendo sua razão de ser aplicado sob o ponto de vista do setor elétrico”, explicou a pasta, em nota.

Um estudo realizado pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) registrou a queda no valor economizado entre os anos de 2013 e 2016, caindo de 405 milhões para R$ 147 milhões, reduzindo a 63%.

Compartilhe esta matéria:

Google+
Tumblr
Pinterest

Publicidade

Campanha